Abril Verde e a alarmante estatística brasileira de acidentes de trabalho

Flávio Oliveira/reviver Fotografia

Flávio Oliveira/reviver Fotografia

País está entre os quatro do mundo com o maior número de acidentes

A cada R$ 1,00 investido em segurança, o retorno é de R$ 4,00 em economia para a empresa

No próximo dia 28, o Brasil celebra o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho. A data faz parte da campanha Abril Verde, criada em 2013, com o objetivo de promover a cultura de prevenção e conscientização sobre os riscos durante a jornada de trabalho.

Durante o mês, diversos eventos devem acontecer nas empresas para integração dos funcionários sobre o tema. “Apesar de ser pouco conhecido, o objetivo do Abril Verde é que a data faça parte dos movimentos internacionais, tais como Outubro Rosa e Novembro Azul. A campanha também adotou o laço verde como símbolo, que é utilizada no símbolo da segurança do trabalho e significa saúde e, consequentemente, a vida”, diz a engenheira de segurança do trabalho e assistente técnica em perícias trabalhistas, Marcia Ramazzini.

Junto com às ‘comemorações’, o país registra números exorbitantes relacionados aos acidentes com trabalhadores. Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), 2,32 milhões de pessoas morrem anualmente devido aos acidentes e doenças ocupacionais contraídas durante a jornada. A Organização estima, que mundialmente 4% do PIB, ou seja, 2,8 trilhões de dólares são gastos por ano com esses acontecimentos.

Segundo os últimos Anuários Estatísticos publicados pela Previdência Social, 717.9111 mil acidentes são registrados por ano, deste total, 16.121 mil deixam o trabalhador com sequelas permanentes e 2.814 mil são registros de óbitos.

Divulgada no ano passado, a Pesquisa Nacional de Saúde 2013 (PNS) mostrou que os números reais são quase sete vezes maiores do que os publicados no Anuário. Foi a primeira vez que o Ministério da Saúde, em parceria com o Ministério do Planejamento, IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) e com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), realizou uma pesquisa sobre os dados referentes a acidentes do trabalho no Brasil. “Diferente da Previdência, a PNS revelou quase 5 milhões de casos. Os indicadores divulgados são impressionantes e nos fazem refletir ainda mais sobre a exposição, riscos e comportamento inadequado dos colaboradores durante a jornada”, alerta Marcia.

Ainda segundo a engenheira, para mudar essa triste realidade brasileira alguns pontos e ajustes devem ser tratados como primordiais. “O apoio de organismos governamentais como, por exemplo, a Previdência Social, Ministério Público do Trabalho, Organização Internacional do Trabalho, Sindicados, Entidades de Classe é fundamental à mobilização e conscientização da sociedade”, ressalta a especialista.

Previdência Social

Os tristes registros geram custos e encargos previdenciários bilionários. “O número de mortes e doenças ocupacionais é inaceitável, além disso, o montante financeiro é muito alto, realmente está na hora de haver uma mobilização mundial, visto que a vida não tem preço”, enfatiza a especialista.

Estima-se que de 2008 a 2013, os acidentes superaram R$ 50.094 bilhões para a Previdência. Além disso, os acidentes e doenças ocupacionais geram um aumento nas alíquotas previdenciárias, processos por danos morais e em alguns casos, até criminais. “Isso sem falar dos custos indiretos, que não são mensurados tais como, perda de produtividade, danos materiais, gastos com medicamentos, stress familiar, entre outros incalculáveis”, ressalta.

As estatísticas revelam que a cada R$ 1,00 que a empresa investe em segurança do trabalho, R$ 4,00 retornam em economia com menos acidentes e afastamentos, aumento de produção, segurança e lucro. “A sociedade deve cobrar de nossos governantes ações efetivas, uma legislação atualizada e fiscalização atuante. Vamos apoiar o Abril Verde e transformar essa triste realidade dos trabalhadores”, finaliza a especialista.

Fonte: http://www.publikador.com/meio-ambiente/renata-rosa/abril-verde-e-a-alarmante-estatistica-brasileira-de-acidentes-de-trabalho

Comments are closed