Plano de crise

Sua empresa reviu seu Plano de Crise?

plano de crise

Artigo desenvolvido por Marcia Ramazzini, Plano de Crise

Quando falamos em plano de crise, a primeira coisa que nos ocorre é queda de ações da bolsa, alta do dólar, enfim assuntos relacionados ao mercado financeiro.

Porém, temos outras crises as quais podem levar a sérios problemas tais como: intempéries, catástrofes ambientais, incêndio e, no caso mais recente, a contaminação por riscos biológicos, levando a empresa a uma crise com efeitos inesperados.

“Planos de crise ou contingência” podem ser elaborados e implantados desde empresas de “pequeno” a “grande” porte e facilitam muito as ações.

Nele estão determinadas as ações e responsabilidades a serem adotadas em situações indesejáveis face cenários acidentais considerados.

Na verdade, são diretrizes visando ações e responsabilidades em momentos de emergência e na ausência desta já tem outras pré-estabelecidas.

Os riscos variam de Empresa para Empresa e o plano de crise nada mais é do que as ações face hipóteses criadas.

Neste ano pudemos observar o que significa “Plano de Crise” e a falta dele.

O mundo estava totalmente despreparado para um simples vírus” levando-nos a uma pandemia global e de proporções desastrosas.

Alguns países reagiram rapidamente imediatamente acionaram seus Ministérios de Saúde, bloquearam aeroportos, acionaram seus sistemas de saúde e conseguiram rapidamente o controle da situação. Em outros, vimos a catástrofe devido ao despreparo de governantes onde interesses políticos prevaleceram sobre o bem-estar da população.

Nesta pandemia tivemos uma aula do que é ser “eficiente e eficaz” e o que é ser Líder. Vimos a real necessidade de um organismo central dando diretrizes face ação global.

Como disse “ninguém estava preparado”.

Empresas com políticas claras, sistema de gestão e planos de contingência partiram na frente face pandemia.

Rapidamente adequaram seus Planos de Crise, criaram procedimentos, barreiras sanitárias, implantaram boas práticas, treinamento, e se adaptaram à nova realidade.

Planos de crise devem contemplar todas as situações possíveis.

Em indústrias químicas, por exemplo, podem ocorrer vazamentos com sérios danos ambientais, incêndios, explosões e muitos outros. As hipóteses ambientais contempladas facilitam as ações emergências, assim como evitá-las.

O grau de detalhamento varia e, às vezes, apesar das medidas preventivas, podem ocorrer acidentes de grandes proporções e acarretar perdas financeiras assim como credibilidade de imagem da empresa.

Nos momentos em que ocorrem acidentes, o que vemos é uma ingerência que acaba acentuando e acarretando mais danos.

Assim, quando estão estabelecidos os responsáveis, as ações a serem adotadas, ocorre um gerenciamento mais efetivo com resultado satisfatório.

Lembramos que acidentes são evitáveis. Assim, os eventos acidentais quando bem gerenciados podem ser eliminados ou minimizados.

Após esta Pandemia chegou a hora de revermos nossos planos de crise para que não sejamos surpreendidos por outro desta magnitude.

 

Marcia Ramazzini

Engenheira, Consultora, Especialista em Riscos Industriais OSHA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *